Casa abandonada

(Laís Moura)

Uma casa abandonada. O que mais preciso dizer? Era como todas as outras: sem pintura, sem porta, inacabada e tinha um ar misterioso.
Já fazia dois anos que eu morava naquela rua, e a casa se localizava bem na frente do meu prédio. Só tinha um andar, e numa parte da parede da casa pintaram o nome o número de um vereador, do qual morrera ainda na época de eleição. Dizem que foi de coração, mas nunca se sabe. É isso mesmo que você está pensando.
Alguns dias eu me pegava com uma vontade de entrar naquela casa. "Besteira minha" - pensava. "Você já tem 16 anos, já é fora de hora pensar em aventuras."
Um dia, apareceu um defunto lá dentro, o que atiçava mais ainda meu lado bobo da imaginação.

x x x

Era aquele corre-corre típico de mudança. Finalmente estava me mudando - não via a hora de sair de lá.
Estava descendo as escadas quando me bateu a ideia de entrar e descobrir algo de diferente naquela casa abandonada. Eu não via problema algum em dar uma espiadela, apesar de sempre me manter afastada de lá. Olhando para os lados, entrei. Tive a impressão de ter visto alguém andando na rua contrária, mas ignorei mesmo assim.
O ar era normal, mas tinha um lado pesado - seria paranóia minha? - Através da porta ( quer dizer, da falta dela) entrava a luz do sol, deixando o ambiente iluminado. Nas paredes não havia coisa alguma, e o chão se encontrava esburacado. Havia umas manchas no chão, e um traço grosso da mesma cor - vinho - bem próximo.
Tentei tirar com o pé, não saía.
Me aproximei mais e fiquei sem respirar - Era sangue. Pelo menos, eu acho que era.
Provavelmente, o traço era o corte ou tiro arrastado no chão, e o resto era o sangue que sobrara do defunto. Quem foi que morreu? Como morreu? Não se sabe.
Me senti estranha e quis sair de lá; já tinha se passado muito tempo.
Me levantei e me virei. No mesmo instante, recuei e gelei - Lá estava uma louca bêbada, que perambulava pela rua todo santo dia.
- O que você está...? - não consegui terminar a frase. Minhas pernas tremiam e eu suava frio, afinal, nunca se sabe o que um louco é capaz de fazer.
Ela permaneceu em silêncio e só me observou com um olhar vazio. Caminhou melancolicamente até a janela e olhou a vista, me ignorando.
Sai da casa apressada, e quando fui abrir o portão, meus pais estavam lá, com as últimas coisas do apartamento.
- Por onde você andou, menina?! - Indagou minha mãe.
Fechei os olhos. Respirei.

Comentários

Stefani Joanne disse…
Gostei dos contos =D
Continue escrevendo e surpreendendo cada vez mais
com a sua inteligencia... xD
Beijos
By: Grazi
Anônimo disse…
I just added this site to my feed reader, great stuff. Can not get enough!
Anônimo disse…
HI, I just joined this community. I m from india. I like this forum.......hope to learn lot of things here ;-)
Thank you! I hope that you enjoy your choice like i do :D

Laís Lima
From India? cool! be welcome to this blog and i hope it too!

Laís Lima
Anônimo disse…
Great weblog, is excellent. If you would like see it position on the web on the other hand, you’re gonna need to form connections.
thanks :D
but what you mean?
Anônimo disse…
Hello. And Bye.

Postagens mais visitadas